"Marcelo G. Lima: Postais da Diáspora Estética" por J.R. Osborn

 " Este é um laboratório histórico: Dubai, a cidade da diáspora permanente. "
   M.G. Lima

Por mais de cinco anos, Marcelo Guimarães Lima viveu e ensinou em Dubai, uma inusitada cidade global povoada por uma maioria de expatriados. Em 2007, ele começou a compartilhar sua observações críticas e estéticas online através do 'Panoptikon' (www.panoptikon.net). Enquanto os arranha-céus brilhantes de Dubai se estiravam para o céu, ele manteve os pés firmemente plantados no chão: desenhando linhas e esboçando figuras conectando o projeto frenético de desenvolvimento globalizado com a experiência contemporânea da produção artística.


 As observações de Marcelo Guimarães Lima nos lembram que as questões da modernidade em Dubai são também questões estéticas. Entre a ascensão e a queda de fortunas e carreiras econômicas e políticas - a ascensão meteórica de Dubai como uma espécie de  "parque de diversões" da burguesia, o crash econômico global, uma onda de revoluções sociais em rede - a arte persiste em seu ritmo próprio. A autonomia da arte modula um período em que o artefato e o observador circulam um ao redor do outro com uma subjetividade compartilhada. Como uma cidade de monumentos, que brevemente posicionou-se no topo da imaginação mundial, Dubai localiza o enigma. Mas seus reflexos são globais.


 A presente coleção de escritos desloca-se confortavelmente da América Latina para a Europa através da Austrália e para além. Estes não se constituem como ditames centralizados do panóptico, mas vislumbres disseminados do núcleo do panóptico. Estas reflexões múltiplas sobre a comunicação artística, apontam-nos para uma experiência compartilhada de imaginação, possibilidades e sensibilidade estética. Através de um processo contínuo de busca interior, a posição da diáspora liga os pontos e novas figuras emergem. Embora a bola possa mover-se através do centro do campo, a margem oferece o melhor ponto para observar o jogo bonito.


Na parte central desta coleção, o Dr. Marcelo Guimarães Lima introduz  a imaginação como a faculdade comum da arte e da ciência. Ambos os processos moldam nossos inputs sensoriais em uma sequência de significação. A significação é aqui ao mesmo tempo informativa e construtiva, é transformadora tanto quanto  esclarecedora. Marcelo Guimarães Lima está particularmente interessado na significação artística como "a criação da experiência de possibilidade." Seus ensaios demonstram que a visualização da arte pode ser uma experiência do possível.


"De agora em diante toda a arte será mimética de novo, ou não será!"
Pierre Menard


É aqui que podemos vislumbrar uma "teoria da arte" que ressoa em todo o texto (pressupondo, isto é, que afirmações grandiosas como esta ainda podem ser feita, ainda mais expressa da periferia). Como flâneurs turísticos, o Dr. Marcelo Guimarães Lima nos guia a partir do Renascimento italiano através das ruas de São Paulo repletas de grafites, desde as minas de ouro do Peru na década de 1920  aos equipamentos e aparelhos banhados a ouro e lustres de cristal do Emirates Palace em Abu Dhabi, das visualizações de dados do século XXI aos desafios políticos contra o conservadorismo dos anos 80. Deixamos o salões barrocos do Louvre e passamos para o ruído de uma movimentada rotatória moderna. Circulando o cruzamento da publicidade e da arte pública, os sinais apontam para o deslocamento do olhar  na pintura dos Emirados Árabes, as vistas do surrealismo fotográfico, a visão libertadora de um trans-humanismo cyborg, e os ecos silenciosos da caligrafia japonesa. Escolhendo uma saída ao acaso, voltamos a uma câmara escura, decorada com os restos estéticos da Dubai industrial.


 Este livro retrata, "imobiliza" como num instantâneo fotográfico, um ambiente de mudança, e re-media materialmente a série online do Panoptikon. Esses escritos apareceram em formato digital durante o período de 2008-2011. Os posts foram ligados a outras páginas  e reconectados  a partir de outros sites,  adornados por comentários e  posts de usuários. Como entidades digitais, eles continuam a mudar e evoluir em uma ecologia em rede. No entanto, é apropriado que eles também adquiram uma nova vida, e uma nova presença temporal, em forma de livro.


 O livro é um artefato curioso: historicamente significativo, experimentado temporalmente, radicalmente memorável, prematuramente pronunciado morto, revitalizado, reeditado e teimosamente persistente na sua ressurreição. Como as obras de arte, os livros comunicam de forma autônoma na passagem externa do tempo. O livro fornece um portal material para as correntes de significação em movimento que são, paradoxalmente, delimitadas ou agrupadas do mundo em que o artefato reside e circula. Como uma coleção curatorial, este livro destaca seu conteúdo dos fluxos de informação em rede e organiza-os em uma matriz visual. Como uma informativa galeria de arte, que nos permite ver as obras exibidas lado a lado. A justaposição nos apresenta os temas e a paleta com a qual trabalha o autor.


 Ao percorrer estas páginas, adentramos a sua experiência de possibilidade. Somos reposicionados por entre novas sensibilidades de comunicação artística e de tempo hetero-sincrônico. O Dr. Marcelo Guimarães Lima enviou-nos um convite para nos juntarmos a ele na diáspora permanente. Estes trabalhos são os cartões postais derrideanos de uma deriva estética. Eles imitam e re-mediam a descoberta artística. Ao fazer isso, eles também registram uma jornada global na qual recentemente (ou há muito tempo) nós embarcamos e cujos destinos possíveis estão ainda para ser imaginados.




JR Osborn é um experimentalista e estudioso da comunicação. Suas pesquisas se concentram na estética do design, as tecnologias de mídia e a cultura visual do Oriente Médio e da África. O Dr. Osborn é Ph.D. em Comunicação pela Universidade da Califórnia em San Diego. Atualmente é professor no programa de Comunicação, Cultura e Tecnologia da Universidade de Georgetown (Washington, DC, EUA). 


O texto acima é a introdução escrita por J.R. Osborn para o volume Heterochronia and Vanishing Viewpoints: Art Chronicles and Essays de Marcelo Guimarães Lima, publicado por Metasenta Publications, Melbourne, Austrália, 2012

Comments

Popular Posts